Pastorais Anteriores

11 de outubro de 2020

Assim como há dois tipos de colesterol no corpo humano, um bom e outro ruim, há também dois aspectos do silêncio da alma humana. O aspecto ruim é aquele que reflete uma insensibilidade, uma indiferença, uma verdadeira rebeldia contra Deus e suas obras e em alguns momentos até uma certa ignorância com relação às atitudes de Deus. Esse tipo de colesterol da alma pode e deve ser eliminado com: algumas pílulas de oração, injeções diárias da Palavra de Deus juntamente com o antibiótico do Espírito Santo.

Mas, existe aquele bom colesterol da alma. É aquele silêncio que indica resignação, submissão inteligente, humildade e uma avidez por descobrir a resposta certa a certas indagações humanas.

Esse pequeno conto é a respeito da vida de três grandes homens do passado: Saul, Davi e Absalão. Ele explica, exatamente, como Davi conseguiu utilizar a parte boa do silêncio em seu benefício. É com o silêncio que Davi entra no poder e permanece nele. Quem diria! O que Davi fez para ser tão exaltado e permanecer nesse posto tão cobiçado? A resposta: nada. Esperou de Deus aquilo que ele mesmo nem esperava.

Às vezes em nossa vida o silêncio mais parece uma atitude de apatia, estagnação e perda de tempo. Entretanto:

  • é quando dormirmos, em silêncio (exceto aqueles que roncam, eheheh) que Deus aos seus amados;

  • é quando a noite vai e o dia se aproxima que a semente plantada da Palavra de Deus cresce, em silêncio, sem sabermos como, nos corações humanos;

  • é no silêncio que Jesus demonstrou aos discípulos, no meio da tempestade, que Ele estava no controle total da situação, embora eles não acreditaram;

  • é no silêncio que o Espírito Santo trabalha. Não podemos vê-lo nem ouvi-lo, mas, apenas sentir seus efeitos;

  • é no silêncio que Deus coloca governos (bons ou maus) para executar seus planos, e mesmo que às vezes soubéssemos abertamente sobre isso, não acreditaríamos como foi no caso de Habacuque;

  • é no silêncio que aguardamos a nossa salvação, pois isso é bom, como diria o salmista;

  • é no silêncio que esboçamos a total segurança no colo do nosso pai, assim como a criança se aquieta no colo de sua mãe, como diria Davi;

  • é no silêncio que, aquietados, sabemos que Deus é Deus;

  • é no silêncio que Jesus teve grandes e importantes momentos de comunhão com o Pai;

  • é no silêncio que podemos nos compenetrar em nossas orações, em nossos quartos, para falarmos e ouvirmos ao nosso Deus e Pai;

  • foi no silêncio de um deserto que Deus abriu o mar vermelho;

  • é o silêncio feito por Deus, no céu, por meia hora que esboça o quão respeito e carinho Ele tem para nos ouvir, conforme registra João em Apocalipse.

  • É em silêncio que Deus transforma seus filhos de glória em glória;

  • É em silêncio que o jejum deve ser executado e usufruído;

 

Esse é o bom silêncio da alma. Essa parte boa do colesterol espiritual humano demonstra que esse silêncio é ativo, submisso, penetrante, protetor, descobridor, transformador e sábio. Por incrível que pareça, esse silêncio quebra o silêncio. Esse silêncio fala, grita e gesticula. No reino de Deus, é a morte do silêncio através da vida do silêncio. Então, para todos, um bom silêncio bom.

 

Rev. João Geraldo de Mattos Neto

Domingos anteriores

Outubro

25

18

11

04

Setembro

27

20

Agosto

16

02

Junho

14

Fevereiro

Janeiro

 Direitos Reservados © 2016-2020. 1ª Igreja Presbiteriana do Brasil no Cruzeiro